Home
Quem é Emiliano
Mandato
Livros
Imagens
Artigos
Notícias
Boletins
Na Imprensa
Galeria F
Contato

Galeria F – Lembranças do Mar Cinzento (XXVI)

Emiliano José

Mário Lima estava tenso, preocupado. Fora impedido pelos militares comandados pelo major Etiene Falcão de entrar no sindicato que presidia – o Sindipetro. Tivera notícias de que havia trabalhadores mortos dentro da sede da entidade e queria entrar de qualquer jeito para saber o que ocorrera e informar às famílias, muitas das quais já haviam manifestado intranqüilidade. Fora ao Palácio da Aclamação tentar falar com o governador Lomanto Júnior, sem sucesso. No palácio, dialogou apenas com o coronel Cabral, secretário de Segurança, que lhe garantira não haver nenhum trabalhador morto no interior do sindicato sitiado. Era 2 de abril de 1964, alvorecer de um golpe militar que atemorizou e torturou a nação por mais de duas décadas. Eram momentos de muita dúvida, e medo, muito medo diante de homens de armas engatilhadas, sob ordens de golpistas determinados a não respeitar qualquer lei. Mário Lima não se conformou com a resposta do coronel e retrucou:

– Coronel, me desculpe, mas o senhor não esteve no sindicato e não pode garantir que ninguém esteja morto. Quero ver com meus olhos para poder informar às famílias, que nesse momento estão desesperadas. Entro escoltado mas eu próprio quero testemunhar. O senhor, então, peça autorização ao governador.

O coronel deu meia-volta, acatando a sugestão de Mário Lima. Em poucos minutos, retornou com a surpreendente resposta:

– Deputado, a polícia não está mais sob o comando do governador. Obedece agora as ordens do general Manoel Mendes Pereira, comandante da VI Região Militar. Só ele pode dar essa autorização ao senhor.

O golpe militar chegara com toda sua força de ilegalidade e arbítrio. Mário Lima compreendeu isso com mais nitidez com a resposta do coronel. Mas não teve dúvidas em dar o passo seguinte:

– Coronel, então eu quero falar com o general. Eu vou ao quartel-general. A situação em Mataripe é tensa e uma refinaria funcionando sob tensão é perigosa. Eu preciso ir até lá, mas só vou se ver o que está acontecendo dentro do sindicato, me desculpe insistir.

O general Manoel Mendes Pereira era também conhecido entre os seus comandados e por boa parte da sociedade baiana como Manelão. Mário Lima percebeu que era bastante arriscado dirigir-se à cova do leão. O quartel-general situava-se no bairro da Mouraria, nas cercanias do Centro Histórico de Salvador, a poucos metros do Colégio Central, este um estabelecimento famoso por abrigar alunos célebres, entre os quais podem ser lembrados Carlos Marighella e Glauber Rocha como parte de gerações da esquerda baiana que por lá passaram.
  
Apesar de perceber que poderia estar cometendo um erro indo ao quartel-general, o espírito de solidariedade com seus companheiros falou mais alto. O coronel Cabral disse que não havia problemas. Ele próprio o levaria ao general. No jipe, foram o coronel, Mário Lima e um ajudante de ordens. Mário confessa: no curto trajeto entre o Palácio da Aclamação e o quartel-general começou a ter medo de ser seqüestrado. Do jipe observava o vai e vem das pessoas naquele final de tarde do dia 2 de abril, todas elas aparentemente indiferentes a toda aquela movimentação do País, que iria mexer profundamente com a vida de todas elas por duas décadas.
  
Ao chegar ao interior do quartel-general, foi recebido aos gritos pelo general Humberto de Mello:

– Vocês são uns baderneiros! Fizeram greve em Mataripe, estão querendo subverter a ordem!
Mário fez esforço para manter a tranqüilidade:

– General, eu sou um parlamentar. Vim dialogar e peço respeito.

O general não respondeu, deu as costas e desapareceu.
Voltou após alguns minutos:

– O senhor está preso.

Ditadura. Agora não havia mais dúvidas, pensou Mário Lima. Foi levado para o Quartel do Barbalho, fortificação existente, com sua arquitetura atual, desde o século XVIII e que abrigou prisioneiros políticos famosos, entre os quais Cipriano Barata, no século XIX, e Theodomiro Romeiro dos Santos, em 1970.
À chegada, Mário Lima constatou estar sozinho. No dia seguinte, viu vários outros presos políticos chegarem. Nunca o colocavam junto com os demais. Estava incomunicável. Haviam divulgado que se fosse preso, os trabalhadores explodiriam a Refinaria de Mataripe e...

Emiliano José
é jornalista, ex-preso político entre 1970-1974 e autor, entre outros livros de Galeria F - Lembranças do Mar Cinzento; As asas invisíveis do padre Renzo; Lamarca, o Capitão da Guerrilha; e de Carlos Marighella, o inimigo número um da ditadura militar. É vereador do PT em Salvador e deputado estadual eleito. emiljose@uol.com.br - (site: www.emilianojose.com.br) .

Todos os capítulos - Série 3
Capítulo 40
Waldir Pires
Capítulo 39
Waldir Pires
Capítulo 38
Waldir Pires
Capítulo 37
Waldir Pires
Capítulo 36
Waldir Pires
Capítulo 35
Waldir Pires
Capítulo 34
Waldir Pires
Capítulo 33
Waldir Pires
Capítulo 32
Waldir Pires
Capítulo 31
Waldir Pires
Capítulo 30
Waldir Pires
Capítulo 29
Waldir Pires
Capítulo 28
Waldir Pires
Capítulo 27
Waldir Pires
Capítulo 26
Waldir Pires
Capítulo 25
Waldir Pires
Capítulo 24
Waldir Pires
Capítulo 23
Waldir Pires
Capítulo 22
Waldir Pires
Capítulo 21
Waldir Pires
Capítulo 20
Waldir Pires
Capítulo 19
Waldir Pires
Capítulo 18
Waldir Pires
Capítulo 17
Waldir Pires
Capítulo 16
Waldir Pires
Capítulo 15
Waldir Pires
Capítulo 14
Waldir Pires
Capítulo 13
Waldir Pires
Capítulo 12
Waldir Pires
Capítulo 11
Waldir Pires
Capítulo 10
Waldir Pires
Capítulo 9
Waldir Pires
Capítulo 8
Waldir Pires
Capítulo 7
Waldir Pires
Capítulo 6
Waldir Pires
Capítulo 5
Waldir Pires
Capítulo 4
Waldir Pires
Capítulo 3
Waldir Pires
Capítulo 2
Waldir Pires
Capítulo 1
Waldir Pires
Índice - Série 1 -Personagens
Emiliano José
1 2 3
Theodomiro Romeiro e Paulo Pontes 4 5 6 7
Rui Patterson 8 9 10 11
Carlos Sarno 13 14 15
Airton Ferreira 16 17
Juca Ferreira 18 19  
Jurema Valença 20 21 22 23
Othon Jambeiro 24 25 26 27 28 29
Fernando Alcoforado 30
Índice - Série 2 - Personagens
Sergio Gaudenzi 1 2 3 4
Péricles de Souza 5 6 7 8
Mário Alves de Souza 9 10 11
Everardo Publio de Castro 12 13 14 15
Nudd David de Castro 16 17 19 20 21
Mário Lima 22 23 24 25 26 27 28
Luís Contreiras 29 30 31 32 33

 

 
 
 
Quem é Emiliano l Mandato l Livros l Imagens l Artigos l Notícias l Contato
Assine nosso livro de visitas
Copyright © 2000-2003 Emiliano José - Todos os direitos reservados