Home
Quem é Emiliano
Mandato
Livros
Imagens
Artigos
Notícias
Boletins
Na Imprensa
Galeria F
Contato

Galeria F – Lembranças do Mar Cinzento - Parte 3 - (Cap. XIII)

Waldir Pires e Goulart não aceitaram a interferência do embaixador dos EUA...

Emiliano José*

O decreto que regulamentava a Lei de Remessa de Lucros foi redigido inicialmente pela assessoria do ministro da Fazenda, Carvalho Pinto, e depois revisto juridicamente pela Consultoria Geral da República. Foi quando Waldir pôde sentir de perto “a audácia dos representantes do governo dos EUA, mais especificamente do então embaixador daquele país no Brasil, Lincoln Gordon.

Disso, Waldir, com sua prodigiosa memória, recorda com detalhes. Foi no segundo semestre de 1963. Ao chegar à Consultoria Geral da República, recebe um recado de seu chefe de gabinete que lhe soa estranho e “inaceitável”. O embaixador Lincoln Gordon telefonara deixando um convite para que ele fosse à embaixada americana “tomar um drinque às 17 horas”. Waldir, através de seu chefe de gabinete, manda dizer ao embaixador que estaria à sua disposição. Que poderia tomar café com ele, às 17 horas, como sugerido. “Só que no meu gabinete”.

Para surpresa de Waldir, no horário anunciado, o embaixador se fez anunciar e foi recebido. Waldir era professor de Direito Constitucional da Universidade de Brasília. Não deixara a atividade docente, apesar do volume de tarefas no governo. Gordon, que havia sido professor da Universidade de Harvard, iniciou a conversa pelos meandros das discussões acadêmicas. Depois, disse que não entendia como Waldir conseguia conciliar as tarefas administrativas e universitárias.

Waldir deixa a conversa correr, esperando para saber o motivo real que trouxera o embaixador ao seu gabinete. Disse que, entre as tarefas do governo e as acadêmicas, tinha uma jornada de trabalho de mais de 14 horas. Que comia de marmita na própria Consultoria Geral da República e que assim ia levando a vida, e com alegria porque gostava de ambas as tarefas. “O nosso País precisa desse esforço”, disse. Discorreu brevemente sobre a Universidade de Brasília e sobre o desenho novo que Darcy Ribeiro havia feito para ela, pensada como um laboratório de pensamento e reflexões sobre a construção nacional.

Depois dessas introduções quase protocolares, espécie de esquentamento do encontro, o embaixador disse a que viera. Tratava-se da legislação que disciplinaria a remessa de lucros. Waldir, quase rispidamente, pediu que ele não continuasse a conversa. “Esse é um assunto que eu não conversarei com o senhor”, disse, de modo categórico, para acrescentar:

- Peço que o senhor procure o presidente da República ou o ministro das Relações Exteriores. Não converso com o senhor, não converso com o embaixador da União Soviética, da França, da Inglaterra, de nenhum país. Trata-se, na minha área, de assunto de reflexão interna do meu País.

Lincoln Gordon despediu-se, consciente que ali não era porta para voltar a bater. Não desistiu, no entanto. No segundo semestre de 1963, esteve várias vezes com o presidente João Goulart, sempre com o objetivo de interferir na lei que regulamentaria a remessa de lucros e a presença de capitais estrangeiros no Brasil. Até um dia antes da assinatura, o presidente Goulart, diante de tanta pressão, perguntava a Waldir se havia possibilidade de mexer no decreto, preservado o interesse nacional.

Goulart, já vimos, caminhava sobre o fio da navalha. Ao perguntar a Waldir, estava tentando encontrar alguma saída para as sucessivas propostas provenientes de Gordon e de parlamentares afinados com os interesses americanos. “Nunca, no entanto”, - ressalta Waldir – “Goulart determinou mudanças no decreto por conta dessas pressões. Acabou como originalmente foi pensado, assegurando os interesses nacionais e a justa remuneração ao capital estrangeiro efetivamente investido”. O decreto 53.451 foi assinado no dia 20 de janeiro de 1964.

Certamente, essa medida foi uma das que acirraram os ânimos golpistas. A temperatura esquentara em setembro quando, acompanhando as lembranças de Waldir, sargentos do Exército e da Aeronáutica tomam suas guarnições em Brasília, prendem o ministro mais progressista do Supremo Tribunal Federal, Vitor Nunes Leal, ocupam os Correios, o Aeroporto e a Base Aérea. Manifestavam-se contra decisão da Justiça que lhes negara o direito de serem eleitos. O governo sufoca a revolta, mas tinha consciência de que ela fornecia mais munição à direita golpista.

Goulart, nessa conjuntura de dificuldades, não estava propenso a qualquer guinada à direita. Ao contrário, nesse momento, faz inflexões à esquerda, como o próprio decreto de regulamentação da Lei de Remessa de Lucros o demonstra. Nesse início de 1964, diz Thomas Skidmore (Brasil: de Castelo a Tancredo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988), Goulart se encontrava cercado por todos os lados. “Não tinha muita esperança na aprovação pelo Congresso de qualquer das reformas que propusera – acima de todas, a reforma agrária”. Decide ir diretamente ao povo, mobilizar as bases...

Jornalista, escritor, autor de Lamarca, o Capitão da Guerrilha; Carlos Marighella, o inimigo número um da ditadura militar; As asas invisíveis do padre Renzo; Galeria F – Lembranças do Mar Cinzento, parte I e II.

Todos os capítulos - Série 3
Capítulo 40
Waldir Pires
Capítulo 39
Waldir Pires
Capítulo 38
Waldir Pires
Capítulo 37
Waldir Pires
Capítulo 36
Waldir Pires
Capítulo 35
Waldir Pires
Capítulo 34
Waldir Pires
Capítulo 33
Waldir Pires
Capítulo 32
Waldir Pires
Capítulo 31
Waldir Pires
Capítulo 30
Waldir Pires
Capítulo 29
Waldir Pires
Capítulo 28
Waldir Pires
Capítulo 27
Waldir Pires
Capítulo 26
Waldir Pires
Capítulo 25
Waldir Pires
Capítulo 24
Waldir Pires
Capítulo 23
Waldir Pires
Capítulo 22
Waldir Pires
Capítulo 21
Waldir Pires
Capítulo 20
Waldir Pires
Capítulo 19
Waldir Pires
Capítulo 18
Waldir Pires
Capítulo 17
Waldir Pires
Capítulo 16
Waldir Pires
Capítulo 15
Waldir Pires
Capítulo 14
Waldir Pires
Capítulo 13
Waldir Pires
Capítulo 12
Waldir Pires
Capítulo 11
Waldir Pires
Capítulo 10
Waldir Pires
Capítulo 9
Waldir Pires
Capítulo 8
Waldir Pires
Capítulo 7
Waldir Pires
Capítulo 6
Waldir Pires
Capítulo 5
Waldir Pires
Capítulo 4
Waldir Pires
Capítulo 3
Waldir Pires
Capítulo 2
Waldir Pires
Capítulo 1
Waldir Pires
Índice - Série 1 -Personagens
Emiliano José
1 2 3
Theodomiro Romeiro e Paulo Pontes 4 5 6 7
Rui Patterson 8 9 10 11
Carlos Sarno 13 14 15
Airton Ferreira 16 17
Juca Ferreira 18 19  
Jurema Valença 20 21 22 23
Othon Jambeiro 24 25 26 27 28 29
Fernando Alcoforado 30
Índice - Série 2 - Personagens
Sergio Gaudenzi 1 2 3 4
Péricles de Souza 5 6 7 8
Mário Alves de Souza 9 10 11
Everardo Publio de Castro 12 13 14 15
Nudd David de Castro 16 17 19 20 21
Mário Lima 22 23 24 25 26 27 28
Luís Contreiras 29 30 31 32 33

 

 
 
 
Quem é Emiliano l Mandato l Livros l Imagens l Artigos l Notícias l Contato
Assine nosso livro de visitas
Copyright © 2000-2003 Emiliano José - Todos os direitos reservados