Home
Quem é Emiliano
Mandato
Livros
Imagens
Artigos
Notícias
Boletins
Na Imprensa
Galeria F
Contato

Galeria F – Lembranças do Mar Cinzento – Parte 3 - (Cap. XVII)

Waldir Pires e Yolanda começaram vida nova no Uruguai, como exilados...

Emiliano José*

A idéia de opinião pública precisa ser devidamente qualificada. Uma espécie de senso comum dá conta de que ela surge naturalmente, como uma opinião livre, que emana dos cidadãos, e que, sendo assim, seria uma força democrática, libertadora. A opinião pública, nas sociedades contemporâneas, de modo geral, é, no entanto, fruto da ação midiática, do conjunto dessa ação, como já se disse, embora não se possa reduzi-la apenas a ela. É verdade que, em algumas conjunturas, o povo reage porque se desenvolvem mecanismos contra-hegemônicos que conseguem resistir ao impacto da mídia. Mas não foi o caso durante a preparação do golpe de 1964. Ali prevaleceu a influência golpista da imprensa brasileira, que contribuiu decisivamente para a chegada dos militares ao poder.

Waldir e Darcy iniciariam uma vida inteiramente nova no Uruguai. Sentiriam a experiência do exílio, dura como se sabe. Solitário, sem os filhos, Waldir não via a hora de reencontrar a família, Yolanda e os cinco filhos: Cristina, Waldemir, Vívian, Lídia e Francisco. Yolanda ficara em Brasília, hospedada no Hotel Nacional, à espera do apartamento funcional que estava em obras, e que nunca seria ocupado pela família. Yolanda saiu do hotel com toda a família e foi para a residência de um casal amigo, Renato Sampaio e Doralice Gomes. Experimentava uma sensação de que tudo se desagregava: os filhos irrequietos, os objetos da família todos dispersos, inclusive as centenas de livros, Waldir distante. Um sentimento de vazio e desânimo.

Em meio a esse quadro, ainda foi intimada a depor. O coronel, grosseiro, além de exigir o apartamento que estava destinado à família, fazia perguntas ridículas sobre Waldir e queria também saber o que ela fazia como presidente da Casa do Candango, entidade que ajudava as pessoas carentes que chegavam a Brasília em busca de oportunidades de trabalho. Era uma entidade suprapartidária, tão assim que ao lado de Yolanda na direção estava Carmela Salgado, mulher do líder integralista Plínio Salgado. Yolanda, que tinha o sangue quente, disse ao coronel o que pensava da ditadura. Sentia-se só, em meio a um mar de dificuldades.

Alberto Avena, irmão de Yolanda, foi a Brasília, e a convenceu de que os filhos menores deveriam ir com ele para Salvador, para onde então seguiram Waldemir, Vivian, Lídia e Francisco. Cristina, com 11 anos, ficou com Yolanda. Ela acompanhava com muita aflição os acontecimentos, sofria com a ausência de Waldir, com a separação dos filhos, com a angústia de outras pessoas, perseguidas pela ditadura, como Lígia, mulher de Almino Afonso, grávida, interrogada pra informar onde se encontrava o marido.Yolanda sentia o quanto era necessário ter convicções sólidas para agüentar uma situação como aquela. Resistia.

Nos primeiros tempos, falou poucas vezes com Waldir por telefone, e sempre de modo cifrado, consciente de que os telefonemas estavam sendo gravados. Experimentou a alegria de uma carta trazida em mãos pelo escritor Mário Palmério, ex-embaixador brasileiro no Uruguai. Resoluta, Yolanda decidiu que deveria estar com Waldir para decidirem juntos o que fazer da vida a partir daquele quadro, que não dava sinais de mudança no curto prazo. Embarcou no Rio de Janeiro, sob o olhar vigilante, solidário e amigo de Acácio Ferreira. No Aeroporto de Carrasco, em Montevidéu, Waldir a esperava.

Resolveram que deveriam adotar as providências para que os filhos também viessem para o Uruguai, voltar a reunir a família, o que só veio ocorrer em julho de 1964, depois de a ditadura opor inúmeras dificuldades. Moravam no Parque Legenda Patria, num pequeno apartamento, de precárias condições, embora muito bem localizado. Moravam próximos aos casais Maria Tereza e Goulart e Berta e Darcy Ribeiro. Exílio, Yolanda tinha plena consciência disso, é a perda da normalidade da vida, sensação permanente de estranheza, saudades da terra deixada para trás, solidão.

Yolanda ressentia-se do frio intenso, do vento minuano chicoteando-lhe o rosto. O mesmo frio incomodava toda a família à noite, aquecida apenas por um aparelho portátil que, ligado, aquecia demais o ambiente; desligado, transformava os quartos numa geladeira. Dormiam entre o frio e o calor intensos. O exílio no Uruguai foi muito duro, ela registraria mais tarde.

Waldir, Darcy, Almino Afonso, Max da Costa Santos, Neiva Moreira, Goulart, Brizola, entre tantos exilados, organizavam-se para socorrer os companheiros mais necessitados, tanto os que já estavam no Uruguai, quanto os que chegavam. Waldir procurava emprego e não conseguia, como a maioria dos brasileiros, exceção feita a Darcy Ribeiro. A família vivia do dinheiro que era enviado por parentes e amigos. Waldir sabia ser aquela uma situação insustentável. Mas, ia tentando. Alugou um novo apartamento, na Calle Benito Blanco, antes ocupado pelo ex-vice-governador do Rio de Janeiro, Eloy Dutra, onde o conforto era um pouco maior. Ao menos, tinha aquecimento central, o que era uma extraordinária vantagem em relação ao anterior.

Waldir passou a pensar em vender frangos para sobreviver. Começou...

Jornalista, escritor, autor de Lamarca, o Capitão da Guerrilha; Carlos Marighella, o inimigo número um da ditadura militar; As asas invisíveis do padre Renzo; Galeria F – Lembranças do Mar Cinzento, parte I e II.

Todos os capítulos - Série 3
Capítulo 40
Waldir Pires
Capítulo 39
Waldir Pires
Capítulo 38
Waldir Pires
Capítulo 37
Waldir Pires
Capítulo 36
Waldir Pires
Capítulo 35
Waldir Pires
Capítulo 34
Waldir Pires
Capítulo 33
Waldir Pires
Capítulo 32
Waldir Pires
Capítulo 31
Waldir Pires
Capítulo 30
Waldir Pires
Capítulo 29
Waldir Pires
Capítulo 28
Waldir Pires
Capítulo 27
Waldir Pires
Capítulo 26
Waldir Pires
Capítulo 25
Waldir Pires
Capítulo 24
Waldir Pires
Capítulo 23
Waldir Pires
Capítulo 22
Waldir Pires
Capítulo 21
Waldir Pires
Capítulo 20
Waldir Pires
Capítulo 19
Waldir Pires
Capítulo 18
Waldir Pires
Capítulo 17
Waldir Pires
Capítulo 16
Waldir Pires
Capítulo 15
Waldir Pires
Capítulo 14
Waldir Pires
Capítulo 13
Waldir Pires
Capítulo 12
Waldir Pires
Capítulo 11
Waldir Pires
Capítulo 10
Waldir Pires
Capítulo 9
Waldir Pires
Capítulo 8
Waldir Pires
Capítulo 7
Waldir Pires
Capítulo 6
Waldir Pires
Capítulo 5
Waldir Pires
Capítulo 4
Waldir Pires
Capítulo 3
Waldir Pires
Capítulo 2
Waldir Pires
Capítulo 1
Waldir Pires
Índice - Série 1 -Personagens
Emiliano José
1 2 3
Theodomiro Romeiro e Paulo Pontes 4 5 6 7
Rui Patterson 8 9 10 11
Carlos Sarno 13 14 15
Airton Ferreira 16 17
Juca Ferreira 18 19  
Jurema Valença 20 21 22 23
Othon Jambeiro 24 25 26 27 28 29
Fernando Alcoforado 30
Índice - Série 2 - Personagens
Sergio Gaudenzi 1 2 3 4
Péricles de Souza 5 6 7 8
Mário Alves de Souza 9 10 11
Everardo Publio de Castro 12 13 14 15
Nudd David de Castro 16 17 19 20 21
Mário Lima 22 23 24 25 26 27 28
Luís Contreiras 29 30 31 32 33

 

 
 
 
Quem é Emiliano l Mandato l Livros l Imagens l Artigos l Notícias l Contato
Assine nosso livro de visitas
Copyright © 2000-2003 Emiliano José - Todos os direitos reservados